O Ano da Vacina

 

 

Notícias globais e visão para profissionais da área financeira das empresas

 

A Revista > Janeiro 2021 > O Ano da Vacina                  quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

 

O Ano da Vacina

Quem a recebe, a quantidade e o momento, fatores que podem desenvolver ou ajudar a regredir economias este ano.

 

6 de Janeiro de 2021

Autora: TIZIANA BARGHINI

——————————————————————————————————————-

Traduzido por: TELMO JÚLIO VAZ BIO LEITE FERREIRA – Tradutor Acreditado NAATI (Portugal)

——————————————————————————————————————-

Com o fim de 2020 e a chegada do novo ano, as taxas de infeção por Covid-19 voltaram a subir – numa segunda vaga, que incluía uma nova estirpe do vírus, aparentemente mais contagiosa.

No entanto, ao mesmo tempo, uma onda de otimismo atravessava as economias mundiais, à medida que a euforia causada pela vacinação se instalou, especialmente no Ocidente. Em Dezembro, a vacina da Pfizer-BioNTech obteve aprovação de emergência e a UE, Reino Unido, EUA e Canadá abriram campanhas de vacinação. Notícias acerca de aprovações governamentais e ensaios bem sucedidos, vídeo de trabalhadores da linha de frente e líderes políticos a receberem injeções e, sobretudo, a perspetiva de voltar aos negócios, como anteriormente, inspiraram algumas revisões das previsões de crescimento. A Capital Economics, por exemplo, elevou a sua estimativa, para 2021, relativa ao crescimento do PIB mundial, para 6,8%.

No entanto, a visão global positiva encobre alguns detalhes dolorosos no acesso, calendarização, logística e custos. O lançamento da imunização não será um jogo justo, com uma enorme variação no acesso entre países e indivíduos. Kate Dodson, vice-presidente para a estratégia de saúde global, da Fundação das Nações Unidas, que ajuda a financiar a resposta Covid da Organização Mundial de Saúde (OMS), explica que as diretrizes da OMS dão prioridade aos trabalhadores da saúde, da linha da frente, e aos trabalhadores essenciais e distribuem as vacinas, a partir daí, às populações de alto risco. “Saudáveis, os jovens serão provavelmente os últimos a receber a vacina“, diz ela, “algures em 2022“.

O próximo ano poderá assistir a um aumento da diferença na produtividade económica entre as nações ricas e as pobres, com consequências potencialmente graves para aqueles que não conseguem controlar o vírus. Essa divisão poderia impor uma penalização dispendiosa ao nosso mundo moderno interligado. “O nacionalismo vacinal, onde os países pressionam para obter o primeiro acesso a um fornecimento de vacinas, potencialmente acumulando componentes chave para a produção das mesmas, poderia custar à economia global 1.200 biliões de dólares por ano em termos de PIB“, de acordo com um estudo da Rand Corporation, realizado em outubro.

Entretanto, a necessidade urgente, em muitos países, confere, às vacinas de Covid-19 eficazes, poder como ferramentas comerciais e diplomáticas. E enquanto os meios de comunicação ocidentais – certamente americanos – se concentram quase exclusivamente nas vacinas Pfizer e Moderna, há muitas outras.

Os dados sobre os acordos de compra de vacinas são frequentemente opacos, com a maioria dos contratos a não revelarem os preços e alguns países a não revelarem muita informação acerca da produção e disponibilidade. De acordo com o Duke Global Health Innovation Center (GHIC), entre os poucos que recolhem estes dados altamente sensíveis, o Chile comprará a maior parte das suas vacinas à Sinovac da China – que também está a fornecer Hong Kong, Turquia, Indonésia, Brasil e Bangladesh. Uma empresa malaia está a procurar obter o estatuto de halal para o fornecimento de vacinas por uma empresa chinesa, para distribuição a muçulmanos. Entretanto, o Egipto e o Brasil estão entre aqueles que subscreveram algumas quantidades da vacina Sputnik, da Rússia.

Quem recebe quanto?

Desde os primeiros meses da pandemia, na pressa de financiamento de potenciais vacinas, dezenas de entidades farmacêuticas entraram na corrida. Ninguém podia prever qual seria o sucesso. A grande maioria dos candidatos a vacinas falharam; e mesmo depois de um desenvolvimento bem sucedido, há desafios no fabrico e distribuição: veja-se, a título de exemplo, os requisitos, ao nível da temperatura de conservação, exigidos pela vacina da Pfizer.

Governos ricos negociaram acordos de compra, por vezes com múltiplos fabricantes de medicamentos, espalhando as suas apostas. De acordo com a base de dados da Duke GHIC, o Canadá negociou vacinas suficientes com vários fabricantes para inocular toda a sua população várias vezes. “Os países de alto rendimento, que representam 16% da população mundial, têm mais de metade das doses que foram reservadas“, diz Andrea Taylor, director assistente de programas no Duke Global Health Institute. “Os países de baixos rendimentos, que representam 9% da população mundial, têm zero“. No total, apenas oito países, mais a UE como um todo e Hong Kong, adquiriram doses suficientes para cobrir a totalidade das suas populações.

A capacidade de inocular significa a retoma dos negócios e um regresso ao “normal”. “Vemos os EUA a sair primeiro, porque apostaram muito na Pfizer e na Moderna e têm grandes instalações de produção“, diz Rasmus Bech Hansen, CEO da Airfinity, uma empresa de consultoria de informação científica, com uma base de dados chave sobre disponibilidades de vacinas. Ele acredita que os EUA poderão recuperar alguma semelhança de vida normal já a partir de Maio ou Junho de 2021.

A recuperação será também impulsionada pelo sector privado. Em Novembro, por exemplo, a Ford Motor tinha encomendado uma dúzia de congeladores ultra-frios para armazenar vacinas para o seu quadro de pessoal. “A curto prazo, este mercado será controlado pelo governo, simplesmente porque haverá essa necessidade“, diz Hansen. “[Mas] iremos sem dúvida constatar a existência de um mercado privado para estas vacinas“.

DOSES GARANTIDAS DE VACINAS, POR PAÍS, ATÉ DEZEMBRO DE 2020

A China e a Rússia têm ambas vacinas já em produção, sendo testadas e distribuídas a nível interno. As vacinas da Sinopharm e Sinovac Biotech encontram-se em fase final de testes nos estados do Golfo, incluindo o Bahrain, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, os quais a 10 de Dezembro se tornaram no primeiro governo a aprovar uma vacina Chinesa. O primeiro-ministro dos EAU e o príncipe herdeiro do Bahrein, juntamente com uma série de altos funcionários de ambos os países, receberam a vacina da Sinopharm.

E depois há países como a Índia“, diz Hansen. “É um país muito grande que precisa de muitas vacinas, e não adquiriram vacinas suficientes“. Hansen observa que os actuais queridos de Moderna e Pfizer são improváveis de serem distribuídos em partes menos desenvolvidas do mundo, tanto por razões de preço como logísticas. Como resultado, acrescenta, esses países “simplesmente não serão capazes de imunizar a população tão rapidamente“.

As preocupações sobre a desigualdade na distribuição de vacinas levaram a OMS a lançar a Covax em parceria com a ONU, a Comissão Europeia e outros. A Covax é uma parceria global, concebida para apoiar o desenvolvimento de vacinas e também a sua distribuição equitativa. As nações parceiras comprometem-se a efetuar pagamentos para garantir o acesso a uma determinada porção de produtos vetados. A iniciativa detém uma carteira de mais de 170 vacinas candidatas – a grande maioria das quais falhará. Contudo, a Covax está a projetar que levará até ao final de 2021 para chegar a dois mil milhões de doses – o suficiente para proteger as pessoas de alto risco e vulneráveis, bem como os trabalhadores da linha da frente da saúde. É menos de 25% da população mundial atual de quase nove mil milhões de pessoas.

Estamos muito entusiasmados com a AstraZeneca e as vacinas Johnson & Johnson em termos de equidade“, diz Taylor da Duke’s. “Isto porque deram prioridade aos países de baixo rendimento médio na sua distribuição e porque são viáveis para se implantarem em países de baixo rendimento médio”.

A equipa de saúde global da Duke está, também, a observar com grande interesse o progresso de alguns candidatos a vacinas, atualmente em desenvolvimento na Índia – apesar de se encontrarem numa fase muito precoce. Notavelmente, estas vacinas são resistentes ao calor, o que significa que não necessitam de qualquer refrigeração; e uma das mais interessantes – o resultado de uma parceria entre a Universidade de Washington e a Bharat Biotech, da Índia, atualmente em ensaios da Fase 1 – é administrada como um spray nasal. “Estes seriam fatores absolutamente condicionantes para países com climas quentes“, diz Taylor.

Entretanto, a Índia contratou com a Oxford/AstraZeneca para a produção da sua vacina, bem como com a Rússia, para a produção da Sputnik. Outros signatários para a Sputnik incluem a Argentina, Bielorrússia, México, Uzbequistão e Venezuela. Os fornecedores chineses têm contratos com a Turquia, Chile e nações do Golfo, entre outros.

Mas estas vacinas ainda não foram aprovadas pela OMS, e a informação sobre o desenvolvimento nesses países é difícil de obter. Hansen suspeita que a Rússia possa não ter capacidade para aumentar a produção da Sputnik. Com fornecimentos limitados pela capacidade de produção e logística, estas promessas podem exigir inoculações atrasadas para alguns dos seus próprios cidadãos, dificultando a recuperação económica nesses países.

Mesmo assim, a Rand Corporation fixa o custo do fornecimento da vacina, aos países de menor rendimento, em 25 mil milhões de dólares; coloca o custo para os países mais ricos, que não queiram produzi-la, em 119 mil milhões de dólares. “Por cada dólar gasto” vacinando os seus vizinhos mais pobres, Rand conclui, “os países de alto rendimento receberiam de volta cerca de 4,80 dólares“.

Nos próximos meses, vários elementos ajudarão os países que ficaram para trás a obter as suas doses. Para um deles, haverá ajuda internacional. Em Dezembro, por exemplo, o Banco Asiático de Desenvolvimento lançou um esforço de 9 mil milhões de dólares para ajudar os países de baixo e médio rendimento com infraestruturas de vacinação, tais como o armazenamento em cadeia fria, a vigilância e o alcance.

Otimismo em relação às vacinas

O objetivo dos esforços de vacinação é, evidentemente, o regresso aos níveis “normais” de interação humana. “Para o mundo como um todo, há razões para pensar que a atividade não voltará completamente ao seu caminho pré-vírus nos próximos dois anos; mas deverá aproximar-se“, Jennifer McKeown, chefe do Serviço de Economia Global da Capital Economics, comenta num post de blogue. Globalmente, ela acredita que os mercados emergentes mais pobres, incluindo África e partes da América Latina, verão a recuperação económica ser dificultada pela lenta distribuição de vacinas; enquanto que os mercados emergentes da Europa beneficiarão do processo de aquisição da UE.

Mesmo com múltiplos produtos de vacinas bem sucedidos, os meses mais difíceis estão pela frente. Algumas nações podem lutar para conseguir um número suficiente de cidadãos para tomar a vacina, de modo a conseguir uma imunidade generalizada. De facto, o caso do Vietname, que tem sido relativamente bem sucedido na contenção do vírus e está a mostrar um crescimento económico relativamente robusto, ilustra a ligação entre o comportamento social e o vírus. Por outro lado, o mal orientado programa japonês “Go To Travel”, que encoraja o turismo doméstico, parece ter provocado um ressurgimento de infeções.

Como sempre, o impacto será mais duro para as pequenas e médias empresas (PMEs). “Temos este longo período de tempo, até que as coisas recuperem de facto. Uma grande preocupação para nós é o impacto disto, particularmente nas pequenas e médias empresas“, diz Oliver Wright, que lidera o grupo Accenture’s Consumer Goods and Services. “A maioria das pequenas e médias empresas não dispõe de reservas de dinheiro para navegar num ciclo de lockdowns e quedas significativas na procura“. A economia dos EUA perdeu uma rede de 321.000 PMEs, de 2008 a 2010, em resultado da crise financeira, observa, e “poderia facilmente eclipsar este número só em 2020“. Embora as vacinas sejam promissoras, a pandemia deixará cicatrizes permanentes.

Não vivi a Grande Depressão, mas os meus pais viveram e foram afetados para toda a vida“, diz James Rickards, autor de A Nova Grande Depressão: Vencedores e perdedores num Mundo Pós-Pandémico. “Isto vai ser muito semelhante“. Um estudo de 2020, publicado pela Reserva Federal de São Francisco, analisou 650 anos de pandemias e concluiu que a política monetária, o crescimento económico e outras políticas não se normalizam durante 30 a 40 anos. “Se 2019 é o seu ano base para definir normal“, diz Rickards, “bem, nunca mais veremos o normal. Nunca mais“.

Fonte: https://www.gfmag.com/magazine/january-2021/covid-vaccine-economic-comeback

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to top