Os Países Mais Pacíficos Do Mundo em 2020

Os Países Mais Pacíficos Do Mundo em 2020

O Instituto para a Economia e a Paz (IEP) revela a lista dos países mais pacíficos do mundo. Apesar de vivermos, atualmente, o século mais pacífico da história da humanidade, o mundo tem vindo a tornar-se menos pacífico durante a última década.

7 DE JULHO DE 2020 | Autor: LUCA VENTURA | Coordenador de Projeto: Pham Binh

  • TRADUÇÃO: TELMO FERREIRA – TRADUTOR ACREDITADO NAATI (PORTUGAL)

 

INTRODUÇÃO

A paz, dizem algumas pessoas, começa com um sorriso. Mas pergunte a qualquer pessoa que viva num dos países mais pacíficos do mundo, e provavelmente dir-lhe-ão que é o contrário. Estas nações mais pacíficas também gozam de taxas de juro mais baixas, uma moeda mais forte e um maior investimento estrangeiro – para não mencionar uma melhor estabilidade política e uma correlação mais forte com o nível individual de felicidade percebida. Infelizmente, o impacto económico da violência é também quantificável: Numa escala global, em 2019 o custo total ascendeu a 14,5 triliões de dólares americanos, em termos de paridade de poder de compra (PPP), ou a 10,6% do produto interno bruto global total. Se a escala destes números os torna um pouco difíceis de compreender, estamos a falar de 1.909 dólares americanos para cada pessoa, no planeta.

Estas são as conclusões mais significativas do Índice de Paz Global 2020 compilado pelo Instituto Internacional de Pensamento para a Economia e a Paz (IEP), abrangendo 163 estados e territórios independentes de 99,7% da população mundial. A classificação, que se baseia em 23 indicadores agrupados em três critérios (segurança social; extensão dos conflitos domésticos e internacionais em curso; e grau de militarização), pinta um quadro sóbrio: Com 81 países a melhorar e 80 a registar deteriorações, o nível de paz global diminuiu em 2019 em 0,34%, se não parece muito coma vale a pena notar que é a nona vez nos últimos doze anos que a média diminuiu, para uma redução global de 2,5% desde 2008. Entretanto, o número de refugiados aumentou para 1% da população mundial, o nível mais alto da história moderna.

Não deve ser surpresa que muitas tensões de longa data e dispendiosas em todo o mundo permaneçam por resolver. No ano passado, a Síria, o Sul do Sudão e o Afeganistão incorreram no maior custo económico da violência, equivalente a 60%, 57% e 51% do seu PIB, respetivamente. Em contrapartida, nos 10 países mais pacíficos, a proporção cai para menos de 4%. A Europa continua a ser a região mais tranquila, com 13 países nos 20 primeiros do ranking. Também se registou alguma melhoria no nível de tranquilidade global na região da Rússia e Eurásia, a selvagem América do Sul e América Central e Caraíbas registou a maior deterioração no índice. E quanto aos Estados Unidos? Embora mantendo a posição do ano passado no ranking (121), o relatório aponta que a pontuação global do país melhorou 1,54%, marcando um aumento da pacificação pela primeira vez em anos. Isso, claro, já não é o caso. medida que a classificação ia sendo divulgada, os protestos sobre a morte de George Floyd e a injustiça racial já tinham começado a irromper por toda a nação.

Da mesma forma, é inquestionável que muitos dados estatísticos e avaliações contidos nesta edição do relatório serão virados do avesso no próximo ano. O impacto sobre a pandemia da COVID-19, diz o documento, será sentido durante muito tempo em todas as regiões. A crise acentuou os contrastes entre os EUA e outros países – principalmente a China mas não só – sobre as origens do vírus e o papel da Organização Mundial de Saúde, com repercussões sobre as relações diplomáticas e comerciais não limitadas às duas superpotências. À medida que as economias se defrontam com longas recessões, a maioria dos indicadores do Índice de Paz Global prevê-se que se deteriorem. Como resultado do enfoque renovado na crescente desigualdade na riqueza, nas más condições de trabalho e no acesso aos cuidados de saúde, são de esperar aumentos generalizados, na instabilidade política, incluindo motins e greves gerais. Algumas nações também terão mais dificuldade em pagar a dívida existente, levando a um novo aumento da pobreza – no entanto, enquanto a ajuda externa aos países em dificuldades está quase certa de diminuir, prevê-se que as despesas militares globais cresçam significativamente. Entretanto, relatórios sobre violência doméstica, suicídio e doenças mentais já aumentaram em muitas nações. A paz nunca foi um bem mais ameaçado e precioso.

# 10 | SUIÇA

Um marco na classificação durante a maior parte da última década, a Suíça está de volta ao top 10 das nações mais pacíficas, após dois anos à margem. Embora seja de facto um lugar com um grau excecionalmente elevado de segurança na sociedade e um baixo nível de conflito doméstico ou internacional, o seu surpreendente nível elevado de militarização (o total de militares é de aproximadamente 240.000 de uma população de pouco mais de 8 milhões) impede que esta nação se aproxime do topo. A Suíça – juntamente com outros países bem classificados como a Noruega, a Suécia e os Países Baixos – também figurou entre os 10 maiores exportadores mundiais de armas per capita nos últimos cinco anos. No entanto, pela maioria das outras medidas, a Suíça continua a ser um país estável e próspero, onde a diversidade linguística e religiosa é abraçada. Em terceiro lugar, no Relatório de Felicidade das Nações Unidas, classificou-se também acima da média entre as nações da OCDE quando se trata de bem-estar subjetivo, rendimento, saúde e educação e qualidade ambiental. Nem tudo, com toda a justiça, funciona como um relógio: As mulheres suíças tomaram recentemente as ruas para protestar contra a violência doméstica e o fosso salarial. De facto, a Suíça está atrasada em relação a vários outros países desenvolvidos em matéria de igualdade no local de trabalho, com as mulheres a ganharem aproximadamente um quinto menos do que os homens, pior do que em 2000.

# 9 | JAPÃO

Mantendo o 9º lugar no Índice de Paz Global, o Japão é 3 vezes mais densamente povoado que a Europa e 12 vezes mais que os EUA. No entanto, ainda consegue ocupar um lugar de destaque, tanto em termos de paz como de qualidade de vida. Os roubos e outros crimes, nota a agência da Polícia Nacional, estão também tão relacionados com o passado: Nos últimos anos mais calmos, o número de crimes registados continuou a diminuir para níveis historicamente baixos – uma tendência que também se reflete na baixa taxa de encarceramento, que no Japão se seguiu a um período transitório descendente a partir dos anos 50.

Contudo, quando se trata das relações com os países vizinhos, as relações instáveis com a China e especialmente com a Coreia do Norte são frequentemente mencionadas pelos japoneses como motivos de preocupação. A “constituição de paz” do Japão – posta em prática após a Segunda Guerra Mundial para proibir a ressurreição do militarismo agressivo – foi reinterpretada em 2014 para permitir a “autodefesa coletiva”, que precedeu a reestruturação e o reforço das capacidades militares do país.

# 8 | REPÚBLICA CHECA

Dois pontos acima do ano passado, ao longo da última década a República Checa mostrou uma melhoria sustentada num grande número de áreas, desde a estabilidade política à segurança pessoal e às relações internacionais.

De acordo com a OCDE, também apresenta um bom desempenho em muitas medidas de bem-estar, com uma classificação acima da média em empregos e rendimentos, equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e educação e competências. Não só 94% dos adultos entre os 25-64 anos completaram o ensino secundário superior – bem acima da taxa média de 78% e a mais alta entre os 34 países membros industrializados – como esta pequena nação de 10,6 milhões pode ostentar a mais baixa taxa de desemprego da União Europeia, com 2%, abaixo do que os economistas consideram um “nível natural.

# 7| SINGAPURA

Enquanto o relatório do Índice de Paz Global mostra um mundo cada vez mais violento, Singapura tornou-se mais pacífica. Muito mais pacífica: avançou 13 lugares em relação ao 21º lugar, obtido em 2018, e subiu mais uma posição em 2019, que se manteve este ano. O que motivou este salto notável? O Instituto para a Economia e Paz  assinala que as maiores melhorias no ranking são geralmente de base ampla, enquanto grandes deteriorações na paz são normalmente dadas por alguns indicadores. Assim, embora Singapura tenha obtido uma pontuação elevada, no que respeita à segurança e proteção, e baixos níveis de conflito doméstico e internacional, o que a mantém nos primeiros lugares do ranking é – à semelhança da Suíça – o nível de militarização, com marcas vermelhas quando se trata de pessoal dos serviços armados, forças policiais e despesas de importação de armas. A razão? Singapura depende do comércio externo para a sua prosperidade, pelo que é crucial dispor dos recursos necessários para assegurar a passagem tranquila de embarcações pelo Estreito de Malaca, a estreita faixa de água, que serve de ligação entre os oceanos Índico e Pacífico, é crucial.

# 6| CANADÁ

O Canadá é o sexto país mais seguro das 163 Nações, o título é também obtido nos últimos dois anos (spoiler): Os sete primeiros países do ranking mantiveram a posição que tinham no ano passado). Obtendo boas notas, quando se trata de fatores relacionados com conflitos internos, níveis de criminalidade e estabilidade política, o segundo maior país do mundo em termos de massa terrestre – embora relativamente pequeno em termos de população, com apenas 37 milhões de residentes – atinge um peso acima do seu peso em termos económicos. Como nação comercial de topo, é também uma das mais ricas. Acrescente à mistura excelentes oportunidades de emprego, boas instalações de saúde e uma governação eficaz, e terá um dos melhores países para se viver

# 5| DINAMARCA

A Dinamarca manteve o segundo lugar durante 5 anos consecutivos, de 2011 a 2016, caindo subsequentemente para o quinto lugar em 2017, onde permaneceu desde então. Um país seguro para viajar e viver, caracteriza-se por baixos níveis de criminalidade, um elevado grau de estabilidade política, liberdade de imprensa e respeito pelos direitos humanos. Apresenta também um elevado nível de desigualdade de rendimentos e está classificado como uma das nações mais felizes do mundo. A recente queda no ranking da paz deve-se a uma deterioração em alguns dos seus indicadores de militarização. Em 2017, para contrariar a ameaça da crescente atividade militar da Rússia na Europa Oriental e do Norte, a Dinamarca alcançou um importante acordo político interpartidário para aumentar o seu orçamento de defesa em 20%, em curso para igualar os níveis de despesa dos seus vizinhos nórdicos, Suécia e Noruega.

# 4| ÁUSTRIA

Desde o fim da Guerra Fria, o pequeno país encravado, de apenas 8,7 milhões de habitantes, deslocou a sua posição periférica na fronteira entre o Oriente e o Ocidente para mais perto do centro de uma Europa maior. Como jovem membro da UE e fora da NATO, a Áustria orgulha-se de tentar dar-se bem com blocos políticos rivais e de abraçar novas formas de cooperação com os seus vizinhos. No entanto, embora a Áustria tenha um bom desempenho em muitas medidas de bem-estar, tais como rendimentos, emprego e habitação, as tensões sociais têm crescido nos últimos anos alimentadas por campanhas anti-migrantes do popular Partido de Direita da Liberdade (FPÖ), que, até Maio de 2019, era também um governo de coligação com o Partido do Povo de centro-direita (ÖVP) do chanceler Sebastian Kurz. Mais recentemente, o movimento Black Lives Matter trouxe um enfoque ainda mais forte no racismo sistémico presente na vida política e social austríaca, com milhares de cidadãos a saírem às ruas para protestar em Junho.

# 3| PORTUGAL

Portugal marcha ao ritmo do seu próprio tambor quando se trata de paz e segurança. Enquanto nos últimos anos a maioria dos países europeus se deteriorou ou mostrou melhorias muito ligeiras, esta nação de cerca de 10 milhões de pessoas emergiu como um dos maiores escaladores, passando da 18ª posição, em 2014, para a 3ª, em 2017, e durante estes últimos dois anos (escorregou brevemente para a 4ª posição em 2018). Classificado acima da média das nações industriais em termos de habitação, equilíbrio entre trabalho e vida privada, segurança pessoal e qualidade ambiental, Portugal é também classificado como um dos três destinos de expatriação favoritos para a qualidade global da experiência de vida. Melhor ainda, não há necessidade de assaltar o banco para desfrutar do modo de vida português: a república continua a ser um dos destinos mais acessíveis do continente.

#2| NOVA ZELÂNDIA

Mantendo a posição #2 no índice desde 2017, ao longo dos últimos 10 anos, a Nova Zelândia nunca ficou abaixo do 4º lugar, no Índice Global de Paz. Com uma pontuação quase perfeita, nos domínios do conflito doméstico e internacional, militarização e segurança social, é amplamente considerada como um país maravilhoso para se viver.

Com, aproximadamente, a mesma dimensão que o Reino Unido mas com uma população de menos de 4,9 milhões de pessoas, a Nova Zelândia ocupa o primeiro lugar em questões de saúde e acima da média entre os membros da OCDE no que diz respeito à educação, emprego e rendimentos. Tudo isto, no entanto, tem um custo: a escassez de habitação acessível está a tornar cada vez mais difícil, para as pessoas com baixos rendimentos, comprar casas, sendo o fosso entre ricos e pobres considerado o principal problema económico enfrentado pela Nova Zelândia, por 20% dos seus cidadãos.

#1| ISLÂNDIA

Os islandeses podem dormir bem durante a noite: Vivem no país mais pacífico do mundo. Nenhuma notícia é uma boa notícia quando se trata de uma Islândia tranquila: É o décimo ano consecutivo que retém o lugar número um. Sem exército, marinha ou força aérea permanente e sem a menor população de qualquer Estado membro da OTAN (cerca de 365.000 pessoas), a Islândia também goza de índices de criminalidade recorde, de um sistema de educação e bem-estar social invejável, por fileiras entre as melhores nações em termos de empregos e rendimentos e de sentido subjetivo de bem-estar.

A Islândia também tem conseguido o impossível: Com 97% dos cidadãos a descreverem-se a si próprios como classe média e trabalhadora, a tensão entre as classes económicas é muitas vezes descrita como “inexistente”. Quanto à covid-19, em apenas dois meses desde que o primeiro caso foi registado, o país acrescentou o vírus praticamente erradicado, mantendo os casos bem abaixo das 2.000 e o número de mortes em apenas 10. É realmente de admirar que a Islândia seja também um dos países mais felizes do mundo?

OS PAÍSES MAIS PACÍFICOS DO MUNDO : LISTA COMPLETA

PosiçãoPaís
1Islândia
2Nova Zelândia
3Portugal
4Áustria
5Dinamarca
6Canadá
7Singapura
8República Checa
9Japão
10Suíça
11Eslovénia
12Irlanda
13Austrália
14Finlândia
15Suécia
16Alemanha
17Bélgica
18Noruega (empatada com a Bélgica)
19Butão
20Malásia
21Países Baixos
22Roménia
23Ilhas Maurícias
24Hungria
25Eslováquia
26Croácia
27Qatar
28Bulgária
29Polónia
30Estónia
31Itália
32Costa Rica
33Botswana
34Letónia
35Uruguai
36Lituânia
37Taiwan
38Espanha
39Kuwait
40Mongólia (empatada com o Kuwait)
41Emirados Árabes Unidos
42Reino Unido
43Gana
44Zâmbia
45Chile
46Serra Leoa
47Senegal
48Coreia do Sul
49Indonésia
50Laos
51Sérvia
52Tanzânia
53Namíbia
54Timor-Leste
55Albânia
56Panamá
57Grécia
58Libéria (empatada com a Grécia)
59Malawi
60Gâmbia
61Guiné Equatorial (empatada com a Gâmbia)
62Macedónia do Norte
63Madagáscar
64Chipre
65Vietnam (empatado com o Chipre)
66França
67Suazilândia
68Omã
69Montenegro
70Cazaquistão
71Moldávia
72Jordânia
73Nepal
74Argentina
75Paraguai
76República Dominicana
77Sri Lanka
78Camboja
79Bósnia Herzegovina
80Jamaica
81Ruanda
82Guiana
83Marrocos
84Peru
85Kosovo
86Bolívia
87Cuba (empatado com a Bolívia)
88Trinidad e Tobago
89Guiné
90Equador
91Angola
92Tunísia
93República do Quirguistão
94Bielorrússia
95Gabão
96Geórgia (empatada com o Gabão)
97Bangladesh
98Reino de Lesoto
99Arménia
100Moçambique (empatada com a Arménia)
101Guiné-Bissau
102Papua-Nova Guiné (empatada com a Guiné-Bissau)
103Uzbequistão
104China
105Costa de Marfim
106República do Benim
107Tajiquistão
108Togo
109Uganda
110Bahrain
111Haiti
112Djibouti
113El Salvador
114Tailândia
115Guatemala
116Turquemenistão
117Argélia
118Mauritânia
119Honduras
120Azerbaijão
121Estados Unidos da América
122Burkina Faso
123África do Sul
124República do Congo
125Quénia
126Brasil
127Myanmar
128Arábia Saudita
129Filipinas
130Egipto
131Zimbabwe
132Burundi
133Etiópia
134Chade
135Nicarágua
136Eritreia
137México
138Nigéria
139Índia
140Colômbia
141Camarões
142Irão
143Palestina
144Mali
145Israel
146Líbano
147Nigéria
148Ucrânia
149Venezuela
150Turquia
151Coreia do Norte
152Paquistão
153Sudão
154Rússia
155República Centro-Africana
156República Democrática do Congo
157Líbia
158Somália
159Iémen
160Sudão do Sul
161Iraque
162Síria
163Afeganistão

Fonte: Global Magazine

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to top